NASCEU EM BRAGANÇA, MARRON OFICINA DA CASTANHA, UM ESPAÇO PARA PROMOVER O PRODUTO TÍPICO DA REGIÃO

Considerado o primeiro espaço de Portugal especializado na castanha e seus derivados, veio a ter lugar, na região que mais produz em termo nacional e uma das principais da Europa: a Terra Fria Transmontana. De acordo com o João Campos, da empresa, a transformação da castanha ainda não é uma realidade muito presente em Portugal. “A ideia foi sempre agarrar num produto da região e promovê-lo, desenvolvê-lo e expandi-lo e, dentro dessa linha de pensamento, nada melhor que pegar no petróleo transmontano: a castanha. Sempre achei, noutra actividade que tive, que a castanha é um produto com grande potencial mas vende-se muito em fresco e vende-se pouco transformada, em Portugal”.

Se é empresario do território Duero-Douro e quer exportar ou aumentar sua productividade, contacta conosco para aconselharmos sobre o Projecto e-DOURO_EXP.

O espaço surge para promover também as pequenas produções e dar a conhecer as maiores para que sirvam de exemplo. “Aquilo que vai aparecendo, e tem aparecido muita coisa no mercado, são pequenas produções e a ideia de um espaço como este é promover essas pequenas produções e agarrar em exemplos de maior escala, que existam na Europa, e trazê-los para cá e divulgá-los para que os produtores da Terra Fria e da Padrela os sigam e façam uma transformação com maior quantidade. Assim, poderão entrar nos mercados internacionais porque tudo que temos em Trás-os-Montes, a nível de transformação, fica um pouco pelo mercado local”, salientou João Campos

Além de uma mercearia com vários produtos à base deste fruto, o Marron Oficina da Castanha, conta ainda com um pequeno centro interpretativo onde é possível encontrar, por exemplo, uma colecção inédita de assadores de castanha. O espaço conta ainda com uma área para workshops sendo que todas as valências são apoiadas por uma cafetaria e bar. Este é um projecto apoiado em 90% pelo Turismo de Portugal, num total de 166 mil euros.

Escrito por Brigantia e editado na AECT Duero Douro.

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *